Seguidores

domingo, 31 de agosto de 2008

O Relógio e eu

























Quando a manhã acorda
e o som da vida
se anuncia lá fora
Fico a desejar
que o sol demore

Quase imploro
ao relógio
que não mova
os ponteiros
pra ter você
mais um pouco
me impregnar
do teu cheiro
e te sentir em mim
o dia inteiro

E a manhã
de sol se veste
a cidade
toda desperta
te vejo partir em silêncio
a saudade...
No peito aperta

quase imploro
ao relógio
que mova
ligeiro os ponteiros
transforme as horas
em segundos
leve o sol
pr’outro lado
do mundo
Pra de novo
sentir teu cheiro
e reconquistar
minha lucidez...

Mas o relógio e eu
não nos entendemos
desejo
que ele pare
outra vez.

(Sirlei L. Passolongo)

Direitos Reservados a Autora

2 comentários:

Margareth disse...

Magnífico.
Sem comentário...

Reflexo d'Alma disse...

Perfeito!
Um seleção de poemas tematicos...linda ideia!
Vou passear ente seus versos
um pouco mais.
Bjins entre sonhos e delírios